quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Sobre Ritmo e Sonoridade

(e para não dizer que não falei de flores)

                Era uma vez uma banda. Quem assistisse aos desfiles, se admiraria com pompa e garbo do uniforme. Da harmonia e cadência encerrados na profusão dos dobrados. Jamais suspeitariam, entretanto, que rudimentares noções de ritmo resumir-se-iam a didáticos e nada ortodoxos versos:

                 caralhinho, caralhinho, bunda
                 caralhinho, caralhinho, bunda

                 a boceta não tem dente
                 mas aperta o pau da gente

                 caralhinho, caralhinho, bunda
                 caralhinho, caralhinho, bunda

                 toma limonada
                 pra cagar de madrugada
                 toma limonada
                 pra cagar de madrugada

                 caralhinho, caralhinho, bunda

                Alvitrando escansioná-los, indômito futricar — e salvo maior autoridade presente ao recinto — chegaríamos a algo em torno disso:

                ca/ra/lhi/nho, /ca/ra/lhi/nho, /bunda = verso jâmbico (eneassílabo com acentos na terceira, sexta e nona sílabas)
                ca/ra/lhi/nho, /ca/ra/lhi/nho, /bunda = idem ao anterior

                a /bo/ce/ta /não /tem /dente = verso heptassílabo
                mas /a/per/ta o /pau /da /gente = idem ao anterior

                ca/ra/lhi/nho, /ca/ra/lhi/nho, /bunda = verso jâmbico
                ca/ra/lhi/nho, /ca/ra/lhi/nho, /bunda = idem ao anterior

                to/ma li/mo/nada = verso pentassílabo
                pra /ca/gar /de /ma/dru/gada = verso heptassílabo
                to/ma li/mo/nada = verso pentassílabo
                pra /ca/gar /de /ma/dru/gada = verso heptassílabo

                caralhinho, caralhinho, bunda = verso jâmbico

                A melodia executada pela banda visa florear a marcha. Em contrapartida, na cadência desta é que se dá o compasso da música. O que vai por aparente absurdo na disritmia encontrada acima, acomoda-se, harmoniosamente, no que abaixo segue. Por comodidade, ainda, vão abreviadas as notações da mesma, que irromperá ao pé esquerdo, locupletando-se no direito.

                Taróis e surdos:

                                 caralhím, caralhím
                                    esq.          dir.    = dois tempos (compasso binário)

                Bumbos:

                                 bum dá
                                esq.  dir. = idem

                                (repete a frase musical)

                Bombardinos:

                                 ábu cêta
                                 esq.  dir. = idem

                                 náuntem dênte
                                    esq.         dir.   = idem

                                 mása pérta
                                  esq.     dir.   = idem

                                 opáu dagênte
                                  esq.      dir.    = idem

                Repique dos taróis, surdos e bumbos:

                                 caralhím, caralhím
                                      esq.          dir.    = idem

                                 bum dá
                                esq.  dir. = idem

                                (repete a frase musical)

                Caixas, com esteiras de doze fios:

                                 tôma limonáda
                                   esq.      dir.      = idem

                                 pracagá dimadrugáda
                                     esq.             dir.         = idem

                                (repete a frase musical)

                Finalização, por taróis e bumbos:

                                 caralhím, caralhím
                                    esq.             dir.     = idem

                                 bum dá
                                esq.  dir. = idem

                Nos caralhinhos finais, o mor acenava a batuta, imediatamente firmando-a, por ambas as extremidades, paralelamente à fileira dos bumbos, e, na última sílaba da bunda, a recolhia até a linha da cintura, cessando, desta feita, por completo, o ruído dos instrumentos.

                Evidentemente que há de se perquirir o leitor o que o cu teria a haver com as calças. Nada. Música é música, poesia é estilo literário. Tais pretensos versos visavam, tão unicamente, reproduzir, de forma onomatopéica, o som dos instrumentos e a ocorrência nos compassos musicais.

                Se o ritmo musical foge à compreensão dita literária, pouco se importaria, com tais preceitos, a arte da harmonia sonora. Afinal, não é da poesia que se escrevem partituras. Ao contrário. O fenômeno musical, rico em colcheias, semicolcheias, fermatas, arpejos, alegros e pianíssimos, é que emprestará ou não, sonoridade a versos. Ouse empregá-la, por magistral, o poeta. Saiba extraí-la quem puder.

Nenhum comentário: