domingo, 26 de agosto de 2007

Chuvas de Inverno

Esta chuva que desce sem cessar
Em mais um dia frio e distante
Roubando o Sol que me faz pensar:
Um astro me une ao teu quadrante

Chuvas de Inverno, descem e vão
Encharcando-me dos pés à fronte
Límpidas lágrimas de solidão
Colhidas, talvez, em tua fonte

Desçam à terra, águas de agosto
As plagas reguem do meu Inferno
Derribem um pranto em desgosto
Incontido nas chuvas d'Inverno

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Jogos

A de boliche três furos tem
Dois a de bolão
É do jogo bolinar

Mas quando me convém
Com um só dedo da mão
Faço-te rolar

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Em nome do Amor

Olhe minhas mãos... Olhe!
É o teu sangue que por elas escorre!
Estou hirto. Mortificado.
Em nome do Amor...

Teu corpo jazente.
Tua respiração convulsiva.
No olhar nem há medo. Desesperança.
Em nome do Amor...

Olhe minhas mãos... Olhe!
Mãos que te afagaram. Que te possuíram.
Agora ensangüentadas.
Em nome do Amor...

Por que não olhas minhas mãos?
Por que me olhas nos olhos?
Se já nada podes ver?
Em nome do Amor...

Olho minhas mãos.
Mãos assassinas. De ti?
Não. Passional ilusão!
Em nome do Amor...

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Internáutica

Uma fêmea, donzela
atravessou a janela
da Internet, via tela

Não há minuto que passe
sem que eu lembre sua face
É paixão sem disfarce

Seu olhar é felino
desafia o meu tino
É amor intestino

Me esqueço da vida
E a quero atrevida
por inteiro despida

Na sua gíria me amarro
Viajo nesse esparro
e acendo um cigarro

Lhe desprende a fumaça
que no ar faz u'a graça:
seu espectro ela traça

Estaria eu plugado,
num amor desvairado,
resumido ao teclado?

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Epitáfio para um Amor

Aqui jaz, para sempre, o impróprio ente
Natimorto foi, pois que era impossível
Fria terra o acolhe ainda quente
Eterna saudade resta ao desprezível