quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Banho


                 Enquanto se despia, gemidos e sussurros ecoavam, impregnando. Abriu e a torrente desceu. Resvalando. Percorrendo. Lavava-se em volúpias, acariciando recônditos. Sutil piparote e a torneira reteve fluxo. Quereria aquela tepidez.

                 Ferveu-se nas espumas que avolumavam. Espalhou-se, concentrando: "— Caralho, porque não fazem sabonetes anatômicos?".

Nenhum comentário: