quinta-feira, 13 de março de 2008

O Fantasma


"Absinto! Absinto!"
William Shakespeare, Hamlet

A perfídia se instala
Na traição conspirada
Envenena a voz que cala
Em lascívia conspurcada

O festim faz seu tributo
Afrontando vil ao mármore
Qual mão que obtém o fruto
E depois abate a árvore

D'além, inaudíveis gritos
Estertor d'alma penada
Clamando, varam granitos
A paz na honra lavada

Cobre-se paixão incúria
Sob o manto da falseta
O viço da rosa espúria
Tem espinhos de vendeta

Maldição recai em fúria
Saciando o ectoplasma
Pois nem força de centúria
Bate a sombra d'um fantasma

Nenhum comentário: