terça-feira, 15 de junho de 2010

Desiderato

Ars una, species mille

Refestelam-se em retretas
As mais abortadas letras
Mal-acabadas feito feto
Com quais penso me poeto

Septicêmicas vão, destarte
Contaminando o meu ócio
Engrandecem-me ao bócio
Fraudando o valor da Arte

Com a incúria se lambuza
Vá com quanto mais sanha
Artífice do Nada ao pote

A Alma se revela obtusa
Em verso a visão bisonha
Eis a Ignomínia — meu dote!

Nenhum comentário: