domingo, 16 de agosto de 2009

Pra Depois

Ah, não adianta
Teu corpo gramaticar
Num esforço alveolar
Se a verve já levanta
Se o sangue já estanca
Na cavidade cavernosa
Versos galgando a prosa
Da musa feita potranca

Vou deixar o lirismo
O açúcar com canela
A palavra que só fela
O arroz-deleite, se cismo
Que essa barra ainda aguenta
Acrobacias sem nexo
Que fiquem as dores do sexo
Quiçá, pra depois dos setenta

Nenhum comentário: