sexta-feira, 6 de março de 2009

Se Todos os Homens Fossem Padres



Não confesso nenhuma fé. Abdico de convicções, mas há condutas. Quem há de nunca se deixar seduzir por eclesiásticas arquiteturas? Pela perfeita sebe de um monastério? Por rotinas de paz? Acrescente-se gosto elaborado. A harmonia habita, a despeito das artes em profusão. O tempo, categoricamente, equaciona-se e surte.

Abandonemos a obra e construamos olhar ao autor. Íntegro, disciplinado, culto, afável, ponderado e convicto. Escalas que não pontuam quesitos de uma noite só. Edificou sólida multinacional que desconhece crise. Modo contrário, per seculum seculorum, dela subsistirá. Consolida patrimônio físico e intelectual por conta do invisível serviço. Investe frações temporais em outros. Sobremundo que pactua com o poder, apartando-se de leigas catástrofes.

Padres não matam padres. Não roubam. Não traficam. Têm estabilidade, plano de carreira. Não divorciam-se, não abortam. Não sofrem paternidade. Nem legam herança. Filhos, que sejam dos outros. Mulheres, amém.

Nenhum comentário: