sexta-feira, 13 de junho de 2008

Monólogo de uma Obsessão


La chambre à Arles (1889) - Vincent Willem van Gogh

Qua Resurget Ex Favilla
(Quando, das cinzas, erguer-se-á)

Desencontrados pensamentos, miríades espectrais, desfilando sob mozartiano réquiem. Sussurrando dislexias semânticas. Fustigando-me. Ajuntando-se. Abduzindo-me deste mundo, deste tempo.

Toma-me, intimorato, o torpor, um febril torpor. Sinestésica subversão que remete, vez única, a calabouços, penumbras e miasmas. Quais inquietantes tintas derramadas por alhures penas. Sangue esvaído, drenada vitalidade, dissociando alma.

Basta! Tampo ouvidos a não mais escutá-las. No divórcio dessas letras, cabe-me, tão somente, reconciliação ao catre. Fétido catre impregnado, fumaça e alcatrão. Possa, assim, curar pústulas, fístulas, exantemas. Ou imprecar-me, judicandus homo reus, ao cinéreo adormecer.



Nenhum comentário: