sábado, 4 de agosto de 2007

Iminente Naufrágio

a uma poetisa cearense


Por que m'encantas, sereia
das praias de Fortaleza?
És Amor de quem receia
jamais encontrar certeza

Teu olhar são entrelinhas
que as Cartas não indicam
Profundas águas marinhas
quais só Versos as arriscam

Se teu Canto aproxima
aos arrecifes da Paixão
espreito neles a Rima

Ao naufrágio iminente
singro, poeta-capitão
num Poema refrangente

Nenhum comentário: